Fazer morrer, deixar morrer: das memórias que nos contam

Autores

  • Silvia Brandão

DOI:

https://doi.org/10.5016/ridh.v9i1.44

Palavras-chave:

Violência de Estado, Memória, Subjetividades, Ditadura, Covid-19

Resumo

O artigo se estrutura como um experimento criado a partir de conceitos em geral inventados para pensar outros contextos, mas que operam como ferramentas articuláveis à compreensão da especificidade brasileira. Busco os efeitos que a violência de Estado e suas memórias exercem sobre os regimes de subjetivação do tempo presente, enquanto destaco crimes do Estado ditatorial e sua relação com as violações de direitos humanos operadas em democracia. Assim, a narrativa tem por eixo central os modos de produção das memórias que nos contam, que surgem articulados às políticas governamentais de fazer morrer, deixar morrer implementadas pela ditadura militar, ao mesmo tempo em que emergem conectados com acontecimentos da atualidade. Trata-se de um estudo em percurso, que prioriza a relação entre a Guerrilha do Araguaia, a Covid-19, as memórias fabricadas acerca desses eventos e os modos dominantes do desejar-fazer. O processo se constitui afetado por pensadores como Michel Foucault, Achille Mbembe e David Kopenawa.

 

Making it die, letting it die: about the memories that are told to us

The article is structured as an experiment created from concepts generally invented to think about other contexts, but that operate as tools articulated to the understanding of Brazilian specificities. I look for the effects that state violence and its memories have on the subjectivation regimes of the present time, while I highlight the crimes of the dictatorial state and its relation with the human rights violations operated in the democracy. The narrative has as its central axis the production forms of the memories that are told to us, which appear interconnected with the governmental policies of making it die, letting it die implemented by the military dictatorship, at the same time that they emerge connected with current time events. This is an ongoing study, which prioritizes the similarity between the Araguaia Guerilla War, the Covid-19, the produced memories of these events and the dominant ways of wanting-doing. The process  affected by thinkers like Michel Foucault, Achille Mbembe and David Kopenawa.

Keywords: State violence. Memory. Subjectivities. Dictatorship. Covid-19

 

Hacer morir, dejar morir: sobre los recuerdos que nos dicen

El artículo se estructura como un experimento criado a partir de conceptos en general inventados para pensar en otros contextos, pero que operan como herramientas articuladas a la comprensión de la especificidad brasileña. Busco los efectos que la violencia de Estado y sus memorias ejercen en los regímenes de subjetivación del tiempo presente, mientras destaco crímenes del Estado dictatorial y su relación con las violaciones de derechos humanos operadas en la democracia. La narrativa tiene por eje central los modos de producción de las memorias que nos relatan, que surgen vinculados a las políticas gubernamentales de hacer morir, dejar morir implementadas por la dictadura militar, al mismo tiempo que emergen conectados con acontecimientos de la actualidad. Se trata de un estudio en curso, que prioriza la similitud entre la Guerrilla del Araguaia, el Covid-19, las memorias fabricadas sobre estos hechos y los modos dominantes del dejar-hacer. El proceso se constituye afectado por pensadores como Michel Foucault, Achille Mbembe e David Kopenawa.

Palabras clave: Violencia de Estado. Memoria. Subjetividades. Dictadura. Covid-19.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvia Brandão

Doutora em filosofia pela Unifesp. Pesquisadora do Núcleo de Filosofia e Política (Unifesp-CNPq).

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Estado de exceção. Trad. Iraci D. Poleti. São Paulo: Boitempo, 2004.

ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo. Trad. Roberto Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

BAGULHÃO: a voz dos presos políticos. Comissão da Verdade Estadual de São Paulo Rubens Paiva. São Paulo: CVESP Rubens Paiva. 2014.

BEATRIZ, Jucá. Profissionais de saúde levam a Haia denúncia contra Bolsonaro por genocídio e crime contra a humanidade. El Pais, 26 jul. 2020, Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2020-07-26/profissionais-de-saude-denunciam-bolsonaro-por-genocidio-e-crime-contra-a-humanidade-em-haia.html. Acesso em: 28 jul. 2020.

BERNARDI, Bruno. Covid-19 e os povos indígenas Kaiowá e Guarani no Mato Grosso do Sul. Boletim CAAF/Unifesp de enfrentamento da Covid-19. Nº. Especial. São Paulo, 29 mai. 2020.

BRASIL, Katia; COSTA, Emily. Ponte Jornalismo. 26 jun. 2020. Três corpos de bebês Yanomami estão em cemitério e um no IML de Boa Vista (RR). Disponível em: https://ponte.org/tres-corpos-de-bebes-yanomami-estao-em-cemiterio-e-um-no-iml-de-boa-vista-rr/?fbclid=IwAR1HM_ftGnjorVICKmWnCc3UBROgDmr-_JQKfqzAt5_p5VDKld21iCMlJaE. Acesso em: 30 jun.2020.

BRUM, Eliane. Mães Yanomami imploram pelos corpos de seus bebês. El Pais, 24 jun. 2020a. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2020-06-24/maes-yanomami-imploram-pelos-corpos-de-seus-bebes.html. Acesso em: 27 jul. 2020.

BRUM, Eliane. Há indícios significativos para que autoridades brasileiras, entre elas o presidente, sejam investigadas por genocídio. El País, 22 jul. 2020b. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2020-07-22/ha-indicios-significativos-para-que-autoridades-brasileiras-entre-elas-o-presidente-sejam-investigadas-por-genocidio.html. Acesso em: 27 jul. 2020.

CAAF/Unifesp. Sobre a Portaria Conjunta n. 2, de 28 de abril de 2020 – sepultamento de pessoas não reclamadas e não identificadas. Boletim CAAF/Unifesp de enfrentamento da Covid-19. n. 2, São Paulo, s/d.

CAAF/Unifesp. Determinação de suspensão das operações policiais em comunidades do Rio de Janeiro durante a pandemia. Boletim CAAF/Unifesp de enfrentamento da Covid-19. n. 6, São Paulo, 11 jun. 2020.

CAAF/Unifesp. A distorção dos números. Boletim CAAF/Unifesp de enfrentamento da Covid-19, n. 6, São Paulo, 11 jun. 2020.

CAVASSA, Caroline; CESAR, Janaina. Documento inédito mostra que número de presos nos primeiros dias do golpe militar de 64 pode ser quatro vezes maior. The Intercept_Brasil, 30 mar. 2019. Disponível em: https://theintercept.com/2019/03/30/documento-inedito-mostra-que-numero-de-presos-nos-primeiros-dias-do-golpe-militar-de-64-pode-ser-quatro-vezes-maior/. Acesso em: 10 jul. 2019.

CHAID, Julia; CARVALHO, Daniel. “E daí? Lamento, quer que eu faça o quê?”, diz Bolsonaro sobre recorde de mortos por coronavírus. Folha de São Paulo, 28 abr. 2020. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2020/04/e-dai-lamento-quer-que-eu-faca-o-que-diz-bolsonaro-sobre-recorde-de-mortos-por-coronavirus.shtml. Acesso em: 10 mai. 2020.

CLASTRES, Pierre. Arqueologia da violência: pesquisas de antropologia política. Trad: Paulo Neves. São Paulo: Editora Cosac & Naify, 2004.

COMISSÃO da Verdade do Estado de São Paulo/Rubens Paiva. São Paulo, Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, 2015. Disponível em: http://comissaodaverdade.al.sp.gov.br/. Acesso em: 10 jan. 2021.

COMISSÃO de Anistia. Disponível em: http://justica.gov.br/seus-direitos/anistia. Acesso em: 28 fev. 2018.

COMISSÃO Nacional da Verdade. Relatório da Comissão Nacional da Verdade. Brasília, Casa Civil, 2014. Disponível em: http://www.cnv.gov.br/. Acesso em: 3 ago. 2017.

CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Caso Lund e outros (Guerrilha do Araguaia) vs. Brasil: sentença de 24 de novembro de 2010. Disponível em: http://www.corteidh.or.cr/docs/casos/articulos/seriec_219_por.pdf. Acesso em: 15 dez. 2018.

DANTAS, Dimitrius; CAETANO, Guilherme. Laudos apontam “asfixia mecânica” em Paraisópolis. Época, 2 dez. 2019. Disponível em: https://epoca.globo.com/brasil/laudos-do-iml-apontam-asfixia-mecanica-em-mortes-de-paraisopolis-24113753. Acesso em: 16 jun. 2020.

DELEUZE, Gilles. Para dar fim ao juízo. In: Crítica e clínica. Trad. Peter Pál Pelbart. São Paulo: Editora 34, 2011.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Capitalismo e esquizofrenia. Trad. Aurélio Guerra Netto; Ana Lúcia de Oliveira, Lúcia Cláudia Leão, Suely Rolnik. São Paulo: Editora 34, 2012. v. 3. (Coleção Mil Platôs).

DELLA, Ricardo; CHAID, Julia; URIBE, Gustavo. “Não vai ser uma gripezinha que vai me derrubar”, diz Bolsonaro sobre coronavírus. Folha de São Paulo, 20 mar. 2020. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2020/03/nao-vai-ser-uma-gripezinha-que-vai-me-derrubar-diz-bolsonaro-sobre-coronavirus.shtml?origin=uol. Acesso em: 10 abr. 2020.

DIOGO, Adriano. A realidade da tortura não é uma disputa semântica. Diário do Centro do Mundo, 24 mai. 2020. Disponível em: https://www.diariodocentrodomundo.com.br/a-realidade-da-tortura-nao-e-uma-disputa-semantica-por-adriano-diogo/. Acesso em: 16 jun. 2020.

DOSSIÊ Ditadura: mortos e desaparecidos políticos no Brasil (1964-1985). São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo: Instituto de Estudos sobre a Violência do Estado, 2009.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Trad. Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1999.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: Curso no Collège de France (1975-1976). Trad. Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FREUD, Sigmund. Luto e melancolia. In: Sigmund Freud: edição standard brasileira das obras psicológicas completas. Rio de Janeiro: Imago, 1996. v. 14.

GUATTARI, Félix. Caosmose: um novo paradigma estético. Trad. Ana Lúcia de Oliveira, Lúcia Cláudia Leão. São Paulo: Editora 34, 2012.

GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 1996.

ISA. Veta os vetos, Alcolumbre. ISA, 8 jul. 2020. Disponível em: https://www.socioambiental.org/pt-br/blog/blog-do-isa/veta-os-vetos-alcolumbre. Acesso em: 10 jul. 2020.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. Trad. Beatriz Perrone-Moisés. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

MARQUES, João Vitor. COVID-19: ‘nova metodologia’ do governo de MG faz ocupação de UTIs despencar. Estado de Minas Gerais, 6 jul. 2020. Disponível em: https://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2020/07/06/interna_gerais,1163154/Covid-19-novo-metodo-do-governo-de-mg-faz-ocupacao-de-utis-despencar.shtml. Acesso em: 9 jul. 2020.

MBEMBE, Achille. Políticas de Inimizade. Trad. Marta Lança. Lisboa: Antígona, 2017.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Trad. Renata Santini. São Paulo: n-1 edições, 2018a.

MBEMBE, Achille. Crítica da Razão Negra. Trad. Sebastião Nascimento. São Paulo: n-1 edições, 2018b.

MBEMBE, Achille. O direito universal à respiração, 2020. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/598111-o-direito-universal-a-respiracao-artigo-de-achille-mbembe. Acesso em: 29 jul. 2020.

OLIVEIRA, Bárbara. “Morte por coronavírus é semelhante a afogamento”, diz médico. A Gazeta, 20 mar. 2020. Disponível em: https://www.agazeta.com.br/es/gv/morte-por-coronavirus-e-semelhante-a-afogamento-diz-medico-0320. Acesso em: 15 jun. 2020.

QUEIROZ, Silvia Maria Brandão. As máquinas de memória: o corpo-vítima da ditadura militar brasileira como peça dos processos de subjetivação do contemporâneo. 2019. Tese (Doutorado em Filosofia) – Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade Federal de São Paulo, Campus Guarulhos, São Paulo, 2019.

ROSSI, Marina. Sem alarde, São Paulo muda divulgação de óbito da Covid-19 e especialistas criticam. El País. São Paulo, 23 jul. 2020. Disponível em:

STABILE, Artur. Corregedoria conclui que PMs agiram em “legítima defesa” no massacre de Paraisópolis. Ponte Jornalismo. 7 fev. 2020. Disponível em: https://ponte.org/corregedoria-conclui-que-pms-agiram-em-legitima-defesa-no-massacre-de-paraisopolis/. Acesso em: 16 jun. 2020.

TELES, Janaina de Almeida. Memória dos cárceres da ditadura: os testemunhos e as lutas dos presos políticos no Brasil. 2011. Tese (doutorado) – Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

UCHIANAKA, Fabiana. Viúva de guerrilheiro repudia busca feita pelo Exército e diz que segredo sobre arquivos da ditadura é “covardia”. Uol, 8 jul. 2009. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/politica/2009/07/08/ult5773u1631.jhtm. Acesso em: 10 out. 2020.

VECCHI, Roberto. O passado subtraído da desaparição forçada: Araguaia como palimpsesto. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 43, jun., p.133-149, 2014.

VIEIRA JUNIOR, Antônio Otaviano. O direito de fala e de memória na epidemia. Boletim Ciências Sociais. n. 30. Publicado em 29 abr. 2020. Disponível em: http://anpocs.org/index.php/publicacoes-sp-2056165036/boletim-cientistas-sociais/2344-boletim-n-30-cientistas-sociais-e-o-coronavirus?idU=3. Acesso em: 5 mai. 2020.

VIEIRA JUNIOR, Antônio Otaviano; MARTINS, Roberta Savaia. Epidemia de sarampo e trabalho escravo no Grão-Pará 1748-1778. Revista Brasileira de Estudos de População, São Paulo, v. 32, n. 2, p. 293-311, 2015.

Downloads

Publicado

25.06.2021

Como Citar

BRANDÃO, S. Fazer morrer, deixar morrer: das memórias que nos contam. Revista Interdisciplinar de Direitos Humanos, Bauru, v. 9, n. 1, p. 137–160, 2021. DOI: 10.5016/ridh.v9i1.44. Disponível em: https://www2.faac.unesp.br/ridh3/index.php/ridh/article/view/44. Acesso em: 29 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos diversos