+ POR PALAVRA
+ POR ÁREA DO CONHECIMENTO
+ POR PESQUISADOR
+ POR INSTITUIÇÃO

Facebook
Untitled Document


Você pode ouvir os arquivos de áudio num pop-up clicando em "ouvir" ou salva-los no seu computador clicando com o botão direito em mp3 e escolhendo a opção "salvar como...".
 
Rosângela dos Santos Motta
Misturas asfálticas mornas emitem menor quantidade de poluentes

Engenharias; Engenharia Civil; Infra-Estrutura de Transportes.

PUBLICADO EM 25.10.2013
 
OLÁ, SOU ROSÂNGELA MOTTA, E FAÇO PARTE DO CORPO DOCENTE DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES DA ESCOLA POLITÉCNICA DA USP. DURANTE CINCO ANOS PESQUISEI SOBRE MISTURAS ASFÁLTICAS MORNAS. O OBJETIVO DA MINHA PESQUISA FOI ENTENDER MELHOR ESSA TECNOLOGIA E APRESENTAR SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS E SEUS BENEFÍCIOS AMBIENTAIS E ECONÔMICOS. AVALIEI ESSAS MISTURAS EM TEMPERATURA MORNA FAZENDO EXPERIÊNCIAS EM LABORATÓRIO PARA CONSTATAR AS PROPRIEDADES E O COMPORTAMENTO MECÂNICO DAS MISTURAS ASFÁLTICAS. ALÉM DISSO, COMO PESQUISA DE CAMPO, FORAM CONSTRUÍDOS TRECHOS EXPERIMENTAIS NA RODOVIA PRESIDENTE DUTRA E NA RODOVIA DOS BANDEIRANTES. TAMBÉM AVALIEI A DIFERENÇA DE EMISSÕES E POLUENTES E FIZ UMA ESTIMATIVA DE REDUÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA. COMO RESULTADO PUDE OBSERVAR QUE AS MISTURAS ASFÁLTICAS TIVERAM COMPORTAMENTO PARECIDO AO DA MISTURA QUENTE CONVENCIONAL. TAMBÉM NOTEI A REDUÇÃO DA EMISSÃO DE POLUENTES E DO CONSUMO ENERGÉTICO. TRAZENDO PARA NOSSO DIA-A-DIA, AS MISTURAS MORNAS PODEM SER USADAS NAS PAVIMENTAÇÕES URBANAS E RODOVIÁRIAS E POSSUI UM VIÉS SUSTENTÁVEL E ECONÔMICO, JÁ QUE REDUZ POLUENTES, POR EXEMPLO.
Podcast produzido por Marina Rufo Spada
Possui graduação em Engenharia pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (2000), mestrado e doutorado em Engenharia de Transportes pela Universidade de São Paulo (2005 e 2011, respectivamente). Tem experiência na área de Engenharia Civil, com ênfase em Infraestrutura de Transportes, atuando em temas relativos à pavimentação rodoviária e ferroviária, principalmente no âmbito de materiais como agregado reciclado de resíduo de construção e demolição, misturas asfálticas mornas e lastro de ferrovias. Trabalha como pesquisadora no Laboratório de Tecnologia de Pavimentação do Departamento de Engenharia de Transportes da Escola Politécnica da USP desde 2003. É professora colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Transportes da Escola Politécnica da USP e do Programa de Mestrado Profissional do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).