+ POR PALAVRA
+ POR ÁREA DO CONHECIMENTO
+ POR PESQUISADOR
+ POR INSTITUIÇÃO

Facebook
Untitled Document


Você pode ouvir os arquivos de áudio num pop-up clicando em "ouvir" ou salva-los no seu computador clicando com o botão direito em mp3 e escolhendo a opção "salvar como...".
 
Giselda Durigan
Pesquisa busca ajuda na recuperação do cerrado e da mata atlântica

Ciências Agrárias; Recursos Florestais e Engenharia Florestal; Conservação da Natureza.

PUBLICADO EM 18.08.2011
 
Olá, eu sou Giselda Durigan, pesquisadora do Instituto Florestal do Estado de São Paulo. Nos últimos anos tenho desenvolvido pesquisas sobre a conservação e a recuperação do cerrado e da mata atlântica, que são os dois tipos de vegetação mais ameaçados no Brasil. Recentemente, junto com meu grupo de pesquisadores, busquei entender como evoluem as matas ciliares que foram plantadas em áreas desmatadas ao longo dos rios e o que é que faz esses plantios terem sucesso. Para isso, amostramos 1000 metros quadrados de matas ciliares em cada um de vinte e seis plantios diferentes, com idade de até 53 anos. Estudamos o solo, as árvores, os cipós, as samambaias e epífitas, além de características ambientais e da paisagem ao redor dos plantios. Chegamos à conclusão de que, entre os fatores que podem contribuir para a evolução dessas matas, controlar os capins é o mais importante, pois eles impedem as sementes de germinar e dificultam o crescimento das plantas. Verificamos também que, nas matas ciliares plantadas, os tipos de plantas não serão os mesmos que existiam nas matas que foram derrubadas. Mas, felizmente, constatamos que cerca de 15 anos depois, a mata plantada se iguala à anterior em seus serviços ambientais de sequêstro de carbono e proteção aos recursos hídricos.
Podcast produzido por Thales Schmidt
Giselda Durigan possui graduação em Engenharia Florestal pela Universidade de São Paulo (1979) e doutorado em Biologia Vegetal pela Universidade Estadual de Campinas (1994). Fez pós-doutorado junto ao Royal Botanic Garden, em Edinburgh, Escócia. Atualmente é pesquisadora do Instituto Florestal do Estado de São Paulo e professora credenciada junto aos Programas de Pós-graduação em Ciências da Engenharia Ambiental da USP e da UNESP. Atua especialmente em Ecologia Aplicada à conservação e restauração de cerrado, mata ciliar e floresta estacional semidecidual.